terça-feira, 4 de setembro de 2007

Consultório sentimental


Por vezes, pedem-me conselhos sentimentais. Quem me conhece parece que vai gostando de me ouvir a esse nível, parece!?

Conto uma história:

Era uma vez, uma rapariga minha amiga.

A minha amiga confessava-me muitas das vezes os seus desgostos de amor. O último e mais grave de todos, dizia respeito à sua mais recente relação.

O namorado de então, tinha sido apanhado no quarto (bons tempos de estudantes) com outra!

Não foi chocante para mim essa ocorrência, tratava-se de um tipo que deixava sempre mal a minha amiga: ora andava com outras; ora a deixava mal em frente de terceiros; ora a mal tratava em público; ORA A FAZIA SOFRER DESMESURADAMENTE!

Aqui o LoiS, parvinho…pois, sempre que era inquirido por ela, muito directamente lá lhe dizia: - pá, tu achas que esse é um tipo que gosta de ti? estás a perder-te rapariga, descola e segue a tua vida por outro lado!

Mais tarde estes jovens casaram…nunca mais soube deles!

Serve o exposto para expressar o meu trauma no que toca a conselhos sentimentais, NÃO ME PEÇAM MAIS!

13 comentários:

Leona disse...

Como se ouve dizer, se os conselhos fossem bons, não se davam, vendiam-se...

Caro Lois, quando se pede uma opinião a alguem, a mesma é sempre válida. Depois, segue-se o caminho que se achar melhor.

O que me parece, é que talvez o namorado dessa tua amiga tenha percebido que ela seria a mulher da sua vida quando se viu na iminência de a perder.

Mas nem sempre isso acontece...

Ora aqui vai um conselho: continua a ser quem és. Quem não quer ouvir não deve perguntar.

Beijos

LoiS disse...

Beijos e só mais uma coisa:

Não sabemos o final da história...dos dois ;)

Pois...

Marta disse...

ó meu amor, não fiques assim! Eu deixo-te dar-me conselhos, queres? Aproveita agora que não tenho gajo, por isso não podem correr mal!

lololol

Rubina disse...

É triste não ter amor próprio. Também há muitos meninos com páginas na net, e blogues, que são comprometidos mas dão um ar de engatatão. Há de tudo!

pedropina disse...

já percebi k nao irás apresentar o "all you need is love" - o conselheiro matrimonial!

Maria Melo disse...

Tenho certeza que o teu conselho estava certo e ela casou na ilusão de que ele iria mudar (raramente as pessoas mudam de atitude dentro duma mesma relação). O mais provavel, é que já estejam separados ou simplesmente a tua amiga continua a consentir as mesmas desconsiderações e faltas de respeito, o que quererá dizer que tinhas razão!

Se por vezes o teu conselho não é seguido, haverá outras em que a tua opinião possa ser muito importante para o sucesso ou felicidade de alguém. E se assim for, já valeu a pena!

Acho-te uma pessoa particularmente sensível, com bom senso e atenta a quem te rodeia - isso já faz de ti um bom "conselheiro" - não desistas...

Beijos

blackstar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
blackstar disse...

Muito provavelmente, tinhas razão; mas, a verdade é que quanto mais nos dizem uma coisa, mais vontade temos de fazer a contrária!

Eu, por acaso, até acho piada às tuas análises via msn; conselhos, acho que nunca deste, mas, se o fizeres, descansa que não me zango, não garanto é que não faça o oposto! :P

LoiS disse...

Marta:

Não peças, n quero ficar ainda mais desiludido se seguires o caminho oposto ao que eu penso. Sou pragmático e prezo o respeito, não tolero abusos e faltas de carácter perante quem mais devemos respeitar...!

Rubina:

Amor próprio, importantíssimo para que possamos se amados como merecemos.

Pedro:

Na volta vou, aconselhando uma atitude oposta à tendência seguida pelos participantes - lol

Maria Melo:

Deixa que te diga que és muito sábia:

raramente as pessoas mudam de atitude dentro duma mesma relação

Essa frase é a pura das verdades, estes 35 anos de vida e de praia já viram muito disso! a sério! Posso contar outra história que conheço, se quiseres ;)

Black:

Fazes o que entenderes, as visões cada um as tem, conselhos todos damos, acredito que muitos tenham que viver para aprender! mas sabes? aprendi uma coisa:

Aprende com as experiências dos outros pois não terás tempo nesta vida para as viveres a todas!

Daí que eu aceito muitos conselhos!

Bjs a todos

Maria Melo disse...

Oi Lois,

Sábia???
Digamos que sou muito atenta aos outros e a tudo que me rodeia. Que as experiências (boas e más), foram mais que muitas.
E que tudo junto me dá maior percepção das atitudes e comportamentos...

E sim, quero ouvir a tua outra história! - aliás, sou uma fã do teu blog, sempre muito atenta a tudo que escreves.

Beijos

LoiS disse...

Aí vai algo que atesta a tua sabedoria, mais um história das minhas relações, mas antes, deixa-me que te diga que sinto que não és nenhuma "pitinha" ;) :

Era uma vez um casal, daqueles casais que se conheciam desde sempre, desde os bancos da escolinha.

Casaram, foi o caminho mais natural e era o mais esperado por todos. Ele não fazia nada em casa, não se mexia para arrumar os sapatos por exemplo, esperava e exigia que existisse sempre comida quente e arrumação diária, feitinha pela escrava que assim o habituara!

Uma vez que foi sempre assim que a conheceu: dócil, dedicada, trabalhadora, mulher a dias...nunca aceitou enquanto casado que tivesse que mexer "puto" para ajudar nas lides domésticas, mesmo com ela com uma actividade profissional tão intensa quanto ele. Talvez por culpa dela, ele sempre assim foi, digo talvez, pois ele será por certo o grande culpado.

Tarde demais a doce mulher tentou pedir ajuda ao então marido, em troca recebeu sofrimento!

Depois da separação - sim que aconteceu...pois...já que amores perfeitos temos o do Príncipe e da Cinderala - este tipo, agora com nova companheira, até cozer meias para desenrascanço aprendeu a fazer e vive muito feliz assim, a fazer aquilo que achava intolerável fazer com a 1ª!

A mudança que era impensável com a escrava, tornou-se natural com a actual!

Maria Melo disse...

Não, não sou… mas a minha visão das “coisas” tem mais directamente a ver com as minhas vivências do que com a idade!
Diria que, comecei muito nova a “experimentar a vida” e nunca mais parei!

A tua história é igual à de umas quantas pessoas que conheço.

As pessoas são capazes de mudar, mas nunca dentro duma mesma relação.
Esta mudança implica uma alteração de comportamento. E o comportamento quando estabelecido numa relação, acaba por gerir e condicionar essa relação.
A mudança, implica uma quebra do “pré-estabelecido” , implica novos e diferentes pressupostos e isso é praticamente impossível de acontecer, na continuidade de uma relação a dois.

Quando ainda se sonha com o Príncipe Encantado, também se acredita que “um dia as coisas mudam”.
Ou, já não acreditando no dito Príncipe, acomodam-se a uma situação pela falta de coragem de decidir mudar!

É tarde, tenho de ir…

Beijos

Bijuzinha disse...

Caro Lois,

É a primeira vez que decido escrever no teu blog, embora muitas vezes ja por cá passei os olhos.
Gosto dos temas que colocas em discussão e de ler as diferentes opiniões dos teu amigos bloguistas.

Tão diferentes e únicas quanto o ser humano consegue ser...

Decidi iniciar-me nos comments ao teu blog. Foi neste tema, como poderia ter sido noutro.

Eu acredito no ser humano. Tenho uma visão romantica do Homem (H+M), embora seja pragmática e, por vezes, bastante desconfiada do ser humano,no dia a dia.

Acredito que as pessoas possam mudar, já vi muitas situações em que isso acontece, tanto para o bem como para o mal, seja homem, seja mulher. Sim, porque essas coisas acontecem de e para os dois lados...

Mas.......

cumprimentos bloguistas.