quinta-feira, 12 de abril de 2007

Todos diferentes Todos pimba


Há uns bons anos atrás, talvez há mais de uma década, na santa terrinha da minha saudosa avó, assisti a uma noitada forte da semana de festas daquelas paragens. Imaginem aquelas festas carregadas de tipicismo, como só a província consegue oferecer. Tratava-se disso!

O grande dia contou com uma dupla de peso, a actuação de José Malhoa e filha.

Encostado ao bar da ocasião, gerido por amigos da região, lá vivi um dos concertos da minha vida com a bela da “mini” na mão (já entenderão o porquê de ter ficado gravado na minha memória este concerto com a intensidade dos espectáculos dos enomes Depeche Mode, que assiti por duas vezes).

José Malhoa chamou ao palco um tipo simpático e humilde, num daqueles “breaks” musicais que os artistas gostam de fazer para mostrarem uma atitude pró-activa e de interacção com o público.

A vítima, puxada da multidão, visualmente não escondia que era uma pessoa do campo; do trabalho; da dedicação. Na primeira resposta que esta deu ao micro do “enorme artista”, coagido por esse, não escondeu tal facto. Humildemente falou e sorridentemente acolheu as palmas e assobios de todos os que assistiam. Notou-se logo ali que o mesmo se encontrava euforicamente enebriado por se encontrar em palco com um dos seus heróis do nacional cançonetismo.

O que se passou a seguir foi inenarrável. Desde o “grande artista” o humilhar por não ter o par de dentes frontais, até às insinuações que fez, como a de que o simpático senhor só saberia lidar com cabras e vacas ao invés de mulheres. Tudo foi dito num tom jocoso e execrável, próprio de prepotentes que se julgam superiores e com direito a fazer pouco de tudo e de todos, principalmente dos mais humildes.

Ao mesmo tempo, na assistência, que devia contar com umas 1000 pessoas ou mais, todos sorriam com o “baile” dado ao pobre senhor e aplaudiam este “grande artista”. Essa foi mesmo a cereja em cima do bolo.

A vítima deste iluminado, acanhadamente mesmo assim, mantinha a sua simpatia e sorriso perante tamanhas enormidades dirigidas à sua pessoa e À SUA TERRA.

Nunca mais me esqueci deste episódio que agora aqui recordei, ainda me recordo de mais, nomeadamente de me ter virado para o bar e perguntado ao pessoal que servia os “copos”: “mas que merda é esta?” e da resposta de um deles: “está demais, é o Chico ali dos “Povos” (entre sorrisos e aplausos), grande baile, grande José Malhoa!”.

...


Recentemente um ilustre do intelectualismo português, ou talvez do pseudo-intelectualismo cultural português, nas entregas dos óscares à portuguesa (Globos de Ouro da SIC 2006), no seu discurso para uma ilustríssima assistência na sala, referiu, mais coisa menos coisa, que o estado calamitoso da cultura portuguesa é todo ele culpa da grande maioria das pessoas que ali estava na assistência (actores, argumentistas,realizadores,senhores e senhoras da televisão e "zés e zézinhas ninguéns" que pensam que o são!)

A reacção deste público foi idêntica à do público que assistia ao “brinde” relatado, oferecido pelo grande artista pimba.

16 comentários:

Silvia F. disse...

Que pobreza de espírito dessas criaturas que se julgam superiores!Não suporto este tipo de situações.
A título de exemplo quando se fala do prestígio de pertencer à monarquia, de ter "sangue azul" (vês até aqui o azul é mais importante que o vermelho ;)) ou de se pertencer a uma certa elite ou classe privilegiada costumo dizer que quer seja um mendigo ou um rei, todos nós nascemos e morremos da mesma forma... Irrita-me essa hegemonia que certas personagens exercem sobre os outros apenas no intuito de mostrar poder.

Hey falaste em Depeche Mode!!! Como é? É umas das minhas bandas preferidas!
Em França, o grupo é extremamente apreciado, cá nem por isso.
"I'm not going down on my knees,
Begging you to adore me..." Diz-te alguma coisa? ;)) Nem sei se esta música passou cá, uma das minhas preferidas.

Beijos

TONY, Duque do Mucifal disse...

PRABÉNS PELA ANALOGIA. Confesso que não consumi esse tipo de produto televisivo. Há muito que não embarco em globos de ouro ou de latão.
sabes o que eu sinto é que as pessoas gostam de pensar que nada daquilo é com elas. É com os outros.
Mas de qualquer maneira não sei a quem te referes na "gala dos Globos de Ouros". Concerteza que não será comparavél ao Malhoa.

Xuinha Foguetão disse...

Do pouco que vi dessa gala da SIC, apanhei esse senhor a falar.
Era estranho.
E quando disse isso, eu temi a reacção do público, mas sem necessidade... ele levou uma grande salva de palmas.
E pensei: eles estão a bater palmas a quê?
Cá para mim, sendo verdade ou não, eles acabaram de levar um grande puxão de orelhas. :)

LoiS disse...

"Sil. A K.A amante das massagens":

Cuidado que os monarcas andam aí!

Esta prepotência só foi exercida porque os cobardes não o afrontaram. É o desligar completo para que saiam como se nada fosse com eles. Uma defesa, mas a defesa dos cobardolas.

Depeche Mode sim senhora, os concertos com mais alma da minha vida, de onde saí sem voz e chorei abraçado a amigos a cantar o hino " Never Let me Down Again ". Efectivamente os Depeche são um grupo da minha geração, penso então que somos mais ou menos da mesma (e eu a pensar estar perante uma pita de 12 anos com problemas de acne na costas - lol). Em Portugal existem fãs mas não tantos como em França, onde tenho muitos amigos e com alguns dos quais fui aos referidos concertos.

Espreita e diz se gostas e se conheces: http://luivra.blogspot.com/2006/03/s-quem-nunca-teve-pode-dizer-no.html

Bjs massajantes

Tony:

Sabes, eu também não vi os globos de ouro, li recentemente foi essa peripécia protagonizada pelo irreverente Paulo Branco. Não o critico a ele, neste caso!

Parabéns, tocaste em cheio naquilo que eu quis transmitir: “todos sacodem a água do capote, como se nada fosse com eles”

Abraços

Xu:

É mesmo o que referi atrás: “deixa bater palmas pois não quero que julguem que é comigo”.

Bjs querida

Silvia F. disse...

"Pita de 12 anos" Tssss... francamente!! Chamas-me cada nome, vou fazer um levantamento de tudo o que já me chamaste, depois fazemos um acerto de contas! ;)

Comecei muito pequena no mundo da música, em França fiz um apanhado de toda a informação possível sobre os Depeche Mode. Ainda hoje tenho tudo guardado religiosamente, conheço-os de cor e salteado.

A música "somebody" é linda, a letra mais ainda. Perdura a questão este "sombody" existe? Em sonhos talvez...
Boa escolha! Já agora, porque estão algumas frases à bold? Bora lá, confessa! Faz de conta que este blog é teu, vá!

Bjos esfoliantes

Docinho disse...

Hmmmm...

Infelizmente, a pobreza de espírito é caracteristica de velhos e novos, ricos e pobres, monarcas e republicanos...

Beijos massajantes, beijos, esfoliantes... olha lá Lois, coloca um cremezinho hidratante no final, para amaciar...

LOLOLOLOL

Beijinhos

freemind disse...

Mas é disso que o povinho português gosta, ser enxovalhado por quem não tem neurónios mas se julga superior... e o melhor de tudo é que em vez de reclamarem ainda aplaudem... e não é só no mundo do espetáculo que funciona assim!!

Capitão-Mor disse...

Nunca tive nada contra os designados cantores "pimba". Acredito que gostos não se discutem e já me diverti bastante ao som dos mesmos em cenários idênticos aos que descrevestes. No entanto, fiquei chocado com esse comportamento do Malhoa. Mas tudo isto me remete à passividade natural do português. Da arte à política, engolimos tudo com um sorriso no rosto e sem levantar muita poeira.

Só um reparo...vejo que a ignorância em relação à instituição monárquica ainda vigora em muitas mentes. Que tal lerem uns livrinhos?

Silvia F. disse...

Capitão,
Vejo que a ignorância em respeitar a opinião alheia ainda vigora na sua mente. Que tal ler uns livrinhos?

Capitão-Mor disse...

Desde que seja uma opinião fundamentada nada contra! Essa história de confundir monarquia com os antigos previlégios da nobreza feudal está completamente desfasada da realidade. Veja as monarquias europeias e compare com o nosso país. E pelo que sei ninguém coloca a instituição em causa.
Cumprimentos ultramarinos!

Silvia F. disse...

Capitão,
Cruzes!! Não se ofenda mas quem está completamente desfasado da realidade é o Senhor. Referi a monarquia apenas à título de exemplo!
Mais, se eu não subscrever a monarquia, o que é que o senhor tem a ver com isso? Só me faltava agora ter cuidado com o que escrevo para não ferir susceptibilidades e dizer amén às opiniões alheias, com franqueza!
Cmpts monárquicos

Capitão-Mor disse...

Eu falava em opiniões fundamentadas, mas enfim...é melhor terminar por aqui!

LoiS disse...

"Silvia Floribella":

Aqui o esfolado pede-te que não te esqueças do que escrevi atrás em post, não interpretes erradamente tudo o que lês. O título que dei ao post do "somebody" diz muito e os blogs não são feitos de momentos?

Não caias em tentação rapariga hiper mega fixe!

Entendo o que quiseste dizer sobre o monarquismo. Eu próprio já tive discussões malucas sobre as decisões de vidas apenas pelo berço, assim como a condenação de outras à nascença, algo que me repugna. Igualdade de direitos faz parte da minha conduta.

Parece que andas em guerra no teu canto... n percebi nada, tb não é para perceber, tu és mesmo Dragona!

Se precisares de ajuda apita !!!!
Bjs com chama

Docinho:

Eu bem disse que tinha aqui um doce picante, não me enganei (lol). Tu dá-lhe rapariga!!!
Bjs cremosos

Free:

A minha ilustríssima agora obriga-me a concordar com ela. Free, o nosso mundo está a virar-se mesmo contra nós !!!!! Até nos estamos a dar bem rapariga, tú vê lá!!!!
Bjs sem garras

Capitão:

Eu nada tenho contra a música ligeira portuguesa, aliás, os Beatles tinham letras bem piores que muitas músicas nossas ( “todos nós no submarino amarelo ...” ). Os pimbas são os que não entendem que estão a ser atacados e os que são responsáveis e fingem não o ser!

Pá esquece as discussões monárquicas, a Sil até é de sangue azul e tudo pá!

Abraços ultramarinos amigo

LoiS disse...

Tenham calma, eu a responder aos meus amigos e vcs (por baixo da mesa) nas monarquias!!!

Mar disse...

Olá lois, desculpa o silêncio mas o work algumas vezes…
Ora bem, pobreza de espírito de facto já a algum tempo e com base em algumas experiências pessoais é algo algumas vezes mais grave do que a pobreza material, de facto a situação que relatas é de bradar aos céus. O prazer em humilhar em se sentir superior é horrível. Daí que alguns valores que defendo profundamente é a humilde, o respeitar o ser humano, a capacidade de reconhecer no outro alguém especial com quem podemos sempre aprender quer ele seja mais velho, mais novo, com a 4º classe ou um curso superior. E mesmo que o outro não saiba ENSINA-SE, não se ri! Em Portugal há um síndrome, que é este, têm um canudo já é doutor, já sabe tudo, todos os outros que não tem o canudo devem-lhe “vassalagem” quando na verdade não sabe nada e tem tanto que aprender, tal como Sócrates afirmava “só sei que nada sei” Douta Ignorância (acho que com esta citação respondi à questão que me colocaste num outro post :-)). Têm dinheiro fama, já podem comprar tudo. Enfim acerca deste assunto havia tanta coisa a dizer que o espaço não era suficiente e depois claro tenho alguma dificuldade em ser sucinta nos meus comentários, daí que vou ficar por aqui.

Jade disse...

Lois, a Mar disse tudo o que eu queria dizer acerca deste assunto. Subscrevo na totalidade.
Beijos!