quinta-feira, 7 de setembro de 2006

Turismo no Espaço Rural - cumencanto

FONTE ORIGINAL :
http://blog.uncovering.org/archives/2006/08/turismo_rural

Trata-se de um desporto nacional que antes se chamava "ir à terra". A diferença é que se fores à tua terra, vais de borla, e se fizeres turismo rural vais a uma terra que não é a tua e pagas uma pipade massa. Para fazer turismo rural não serve qualquer terra. Tem de ser uma Terra "com encanto".E o que é uma terra "com encanto"? Obviamente, é uma terra que está num guia de terras "comencanto". Está-se mesmo a ver. A estas terras chega-se normalmente por uma estrada municipal "comencanto", que é uma estrada com tantos buracos e tantas curvas que quando chegas à terra estásmortinho para sair do carro. E quando entras no café tentas integrar-te com os vizinhos, dizendo coisas do estilo "- Bom dia, compadres! O que é que é típico daqui?" E o gajo do café pensa: "Aqui otípico é que venham os artolas da cidade ao fim-de-semana gastar duzentos contos".

A seguir, ficas instalado numa casa rural ou "casa com encanto", que é uma casa decorada com muitos vasinhos e réstias de alhos penduradas do tecto, que não tem televisão, nem rádio, nem microondas. Em contrapartida, tem uns cabrões de uns mosquitos que à noite fazem mais barulho que uma Famel Zundapp. Depois apercebes-te que os da terra vivem numas casas que não têm Encanto nenhum, mas têm jacuzzi, parabólica, Internet e video-porteiro. A tua casa não tem video-porteiro, mas tem uma chave que pesa meio quilo.

Outra vantagem de fazer turismo rural é que podes escolher entre uma casa vazia ou ir viver com os donos da casa. Fantástico!!! Vais de férias e, além da tua, ainda tens de aguentar uma família postiça. Se à noite queres ver o filme, eles os documentários e tu perguntas-te: - "Quem é que manda mais? Eu, que paguei 600 euros ou este senhor que vive aqui?" Ganha ele, que tem um cacete. Ainda por cima, dizem-te que tens "a possibilidade de te integrares nos trabalhos do campo". O que quer dizer que te acordam às cinco da manhã para ordenhar uma vaca. Não te lixa? É como ires à bombada gasolina e teres de pôr tu a gasolina, ou como ires ao Mac Donalds e teres de arrumar o tabuleiro. Ou seja, o normal. Então, levantas-te às cinco para ordenhar as vacas. E digo eu: porque raio é que é preciso ordenhar as vacas tão cedo? O leite está lá! Não se podem ordenhar depois do pequeno-almoço? Eu acho que isto é só para chatear, porque a vaca deve ficar muito contente por a acordarem às cinco da manhã para um estranho lhe vir mexer nas mamas. A vaca olha para ti como se dissesse: "Ouve lá, pá! Se queres leite vai ao frigorífico e abre um pacote!" É que é mesmo só para chatear!!!

Mas o "encanto" definitivo são "as actividades ao ar livre". Como quando te põem a fazer caminhada, que é aquilo a que normalmente se chama andar, e consiste, exactamente, em por um pé em frente ao outro até não poderes mais, enquanto os da terra vão num jipe com ar condicionado. Mas tu, feliz da vida, vais pelo campo atordoado. Tornas-te bucólico e tudo te parece impressionante: vês uma vaca edizes: "Ummmmm, que cheirinho a campo". A campo não, a bosta!!! Mas, isso sim, é a bosta "comencanto". E tudo, seja o que for, te sabe maravilhosamente: na mesa pespegam-te dois ovos estrelados com chouriço e tu na cidade não comes estes ovos, nem estes chouriços. E perguntas ao empregado? -"Este chouriço é da matança?" "- Quase, porque o gajo do camião da Izidoro ia morrendo ali na curva."

De repente, ouves umas badaladas e dizes: "- Ah! Que paz! Não há nada como o som de um sino!..." E o gajo do café diz-te: "- É gravado. Não vê o altifalante no campanário? Nesse momento, perguntas-te se os ruídos das galinhas e dos grilos não estarão num CD:"RuralMix2006", "Os 101 Maiores Êxitos Campestres". A única coisa de que tens a certeza é que os cabrões dos mosquitos são verdadeiros. Pareces um Ferrero Rocher com varicela!!!

Eu acho que, de segunda a sexta, as pessoas destas terras vivem como toda a gente, mas ao fim-de-semana espalham pela estrada uns tipos mascarados de pastores e quando vêem que se aproxima um carro, avisam os da terra pelo telemóvel: "hei, vêm aí os do turismo rural!" E mudam o cartaz de"Videoclube" pelo de "Tasca", soltam uns cães pelas ruas e sentam à entrada na terra dois avozinhos a fazer sapatos, que depois tu compras uns e saem-te mais caros que uns Nike.

Enfim, acho que uma montagem tão grande como esta não pode ser obra de pessoas isoladas. Tenho acerteza de que estão implicadas as autoridades. Imagino o Presidente da Câmara: - "Queridos conterrâneos: este Verão, para aumentar o turismo, vamos importar mais mosquitos do Amazonas, que no ano passado tiveram imenso êxito. E quero ver toda a gente com boina, nada de bonés de pala da Marlboro. E façam o favor de pintar o espaço entre as sobrancelhas, que assim não parecem da província! E as avós: nada de topless na ribeira, que espantam os mosquitos! E só mais uma coisa: este ano não é preciso ninguém fazer de maluquinho da terra, que com os que vêm de fora já chega!

9 comentários:

ARTEMINORCA disse...

Lois: Fiquei contente por não teres ficado aborrecido comigo. Relendo o teu primeiro comentário, eu, de facto, disparei em todas as direcções e fui incorrecta.
Para terminar o assunto, por agora porque eu também gosto de dialogar e se quiseres retomamos mais tarde o tema, o nosso ex-presidente ao interrogar-se porque é que aqui não fazemos o mesmo demonstra muito desconhecimento do assunto. Eles lá contabilizam as horas todas que passam na escola e, por isso, o horário deles parece muito maior. Sabes porquê? Porque eles dão as aulas na escola, claro, tal como nós, e depois o trabalho que nós trazemos para casa eles fazem-ne na escola porque têm gabinetes de trabalho apetrechados de computadores, fotocopiadoras, secretárias, fechados e, por isso, com os seus livros de consulta. Estes gabinetes são atribuídos a pequenos grupos. Sabes quantos gabinetes de trabalho tinha a escola onde estive agora 7 anos, 0 gabinetes. Quando tinhamos um furo e queríamos trabalhar tínhamos de estar na sala de professores. Sala essa que é um espaço de convívio, em que os outros não podem ser obrigados a estar calados e sala por onde passam uma média de 100 professores por dia. por isto é que eu digo que as condições fisícas são importantíssimas!
Obrigada pela tua paciência. Espero contribuir para que possas vir a ter uma visão menos boa dos professores. Embora... haja muitos que são incompetentes, faltistas e irresponsáveis, é verdade! E tambvém é por isso que quero ser avaliada, para poder ser distinguida desses quantos, para já somos todos iguais e, portanto, todos mal vistos. Mas... sem quotas, avaliada de forma transparente!
Também te vou linkar!
Já me passou pelos olhos o texto que postaste. Achas, então, que não foi obra de um só?

ARTEMINORCA disse...

Onde se lê "menos boa", deve ler-se "menos má"!

Xuinha Foguetão disse...

Lois,

vai te tratar!

Ahahahahahha!

Anónimo disse...

http://blog.uncovering.org/archives/2006/08/turismo_rural.html

LoiS disse...

Tks anónimo, pena o seres!

Será feita a justa referência no corpo do post !

Recebi por email este texto, sem saber a poveniência do mesmo, agora sei, ainda para mais sobre uma actividade que me diz muito. Daí tb o meu cuidado em colocar o mesmo em Itálico e a Bolt
;)

Mais uma vez obrigado !

Xuinha Foguetão disse...

Fiquei um bocadinho feliz por saber q n foste tu o autor do texto.

Desculpa, mas é verdade!

Custou-me a lê-lo... só um bocadinho.

:)

Beijos

Andorinha disse...

Pois olha, eu achei o texto uma absoluta DELÍCIA!!! Mto, mto bom!
Tenho uma amiga q tem uma agencia de viagens para um mercado diferente das agencias de massa, com viagens diferentes, cujas noites são sempre passadas em sítios "con encanto"! LOL
Verdade seja dita, os sítios são sempre giros, mas o que me dá vontade de rir, é ela achar, tal como o otário do texto, que é tudo "muy autêntico"!
Eu já viajei com elas resmas de vezes, e não haja dúvida q as casas são giríssimas (como aquele moinho onde fiquei na Toscana), mas nada de ser a tansa que acha que é tudo mto autêntico. Eu achei foi tudo caríssimo!!!A comidinha "caseira" foi cá um gasto que não têm noção!
Não pude por isso deixar de mandar umas gargalhadas qdo vi este post.

Pedro Ferreira, Visconde de Cunhaú disse...

Parece-em um texto um pouco exagerado! Creio que seja um dos produtos turísticos mais interessantes do nosso mercado. Antes uma unidade de turismo rural do que um qualquer aldeamento completamente impessoal.

Yashmeen disse...

O pessoal da província curte à brava os papalvos citadinos que, em busca do "rural", pagam couro e cabelo para serem mal servidos. Claro que há excepções...