segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Diário de um fim-de-semana

Subi a Braga na 5ª feira e pelo caminho jantei na Mealhada. Uma "obrigação" cada vez que me desloco a norte.

Pernoitei em Braga, já passava das 24 horas quando fui acolhido pelo meu amigo em sua casa. Na manhã seguinte fomos tomar o pequeno-almoço à histórica cafetaria de Braga -“Brasileira”, que diga-se de passagem, se continuar sem uma intervenção profunda de requalificação, a história dela está prestes a ficar por aqui.
Passei a tarde, onde almocei, em Ofir/Esposende, onde em grupo passeei na praia com uma fabulosa vista para o litoral de Esposende – área de paisagem protegida. Ainda tive tempo de dar um mergulho na piscina do clube náutico local, onde são sócios amigos meus.
Subi até Vila Nova de Cerveira, destino até então adiado deste fim-de-semana prolongado. Jantei soberbamente e pernoitei por lá – com malas e bagagens. Mas antes de dormir ainda tive tempo para passear numa aldeia na zona de Paredes de Coura, onde segundo informação de uma artista da região que conheço, actuava o seu grupo de música tradicional do Minho. Uma imagem nocturna deslumbrante para reter: a da igreja iluminada, totalmente engalanada para festa (a foto em baixo retrata a igreja de dia).

No dia seguinte passei por uma típica e famosa feira repleta de espanhóis. Feira que segundo me informaram é muito concorrida todos os Sábados em Vila Nova de Cerveira. Deliciosa e típica. Reterei para sempre a imagem dos desgraçados animais vivos: galinhas, galos e coelhos vivos, à espera que um qualquer carrasco os adquira para os levar dali para fora, não para a sua salvação, mas sim para a panela. Rumei depois, perto da hora de almoço, a Santiago de Compostela. Globalmente posso referir que Santiago foi uma desilusão. Para além da Catedral e de todo o misticismo que envolve as Rotas de Santiago de Compostela, Santiago pouco mais “ofereceu” que outras cidades espanholas não ofereçam talvez ainda melhor. Mesmo assim é um destino obrigatório, as minhas expectativas é que eram muito elevadas.
Regresso de Santiago com uma paragem em Vigo, para reter deste local: os viveiros que se visualizam na ria de Vigo, uma imagem única e deslumbrante.
No outro dia, já em pleno Domingo, foi tempo de descer do topo deste nosso Portugal à beira da Galiza, rumo a Lisboa. Paragem escalonada previamente – Aveiro – onde passeei num maravilhoso barco moliceiro, com direito a guia turística multilingue. Adquiri e degustei os obrigatórios potes cheios de doces de ovos. Adorei Aveiro.
Quem pode dizer que de um fim-de-semana prolongado, não se pode fazer um riquíssimo escape à rotina?

1 comentário:

Leona disse...

Meu caro amigo,

Estiveste numa zona lindissima de Portugal. Embora não sendo natural de lá, lá vivo e muito aprecio.

Não me disseste nada, deixa-te andar......lololol


Uma sugestão para um qualquer próximo fim de semana prolongado: uma visita ao Douro. Obrigatório...

Beijinhos!!!!!