terça-feira, 9 de janeiro de 2007

Tema para corajosos ...


O tipo era um “must”, o pai tinha-se divorciado e como empresário de sucesso que era passava grande parte do ano nos PALOP a comandar os seus negócios. Ele, simpático e amigo, com a dose normal de ingenuidade de um adolescente continuava por cá, na universidade e a viver no apartamento do pai, em zona nobre da urbanidade.

Apaixonou-se na noite por uma rapariga espanhola, todos a conheceram então, era um encanto ... e tinha amigas como ela, todos andavam extasiados.

Mas a amizade era estranha, ela aparentava viver bem em demasia e ninguém entendia a proveniência do seu dinheiro ... até que se começou a perceber tudo. Ela mudou-se para casa dele, ele, continuamente se apresentava junto a todos rendido à “dona branca”, a tal “dona” que começou a ser abundante para aqueles lados.

A casa depressa se tornou ponto de encontro Ibérico, local de festas e romarias e por lá passaram a habitar mais dois espanhóis... amigos, dizia !

Foi o descalabro dele, ninguém o conseguiu controlar, libertar.

A casa, os telefones, as vidas dos amigos que pouco então tinham a ver com eles passou a ser vigiada pelas polícias nacionais e internacionais. É que a sua paixão e amigos eram Etarras, sim, da denominada Euskadi Ta Askatasuna.

Afinal todas as vias serviam para financiamento da organização terrorista, mesmo as do tráfico e da manipulação humana.

Espanha já acordaste? nunca se poderá negociar com terroristas !

9 comentários:

Maríita disse...

Isso é uma pequena história, existem centenas de milhar. A ETA é uma organização terrorista e como tal deve ser tratada. A morte de Miguel Ángel Blanco parecia ter feito Espanha inteira pôr-se de acordo, afinal foi sol de pouca dura ou talvez não se pensarmos que entre as primeiras negociações e as tréguas passaram-se o quê, 5 anos(?) sem atentados. Infelizmente, em Barajas morreram dois seres humanos, nenhum deles espanhol, são ironias da vida.

Zapatero está sem saídas. Rajoy nunca lhe vai permitir uma negociação com a ETA e, a meu ver que já vivi a morte de um amigo nos atentados de Madrid pela mão da Al Qaeda, espero que NUNCA se esqueçam que uma vez iniicada a negociação com terroristas, não há volta a dar-lhe.

No a la ETA!

Capitão-Mor disse...

Curisamente sempre fui apoiante da causa basca, mas pela via pacífica claro está.

Paula disse...

É verdade que negociar com terroristas não costuma ter bons resultados, mas a verdade é que as alternativas quais são? Se não chegarem a acordo através do diálogo, como poderão fazê-lo?

mystic disse...

Não consigo compreender o terrorismo, o que se pode ganhar quando se envolvem inocentes?

LoiS disse...

XIIIII Capitão, conheço essa versão que tu transmites melhor dq julgas e sei o que está por trás em muitas delas, logo, nem comento !

O fins não justificam os meios, NUNCA !

taizinha disse...

Em Fevereiro de 2006 o bloguista BLOGOTA vislumbrou uma solução:
http://blogota.blogs.sapo.pt/36792.html

Desculpem brincar com coisas sérias mas dúvido que se chegue a bom porto, com ou sem negociação.

Yashmeen disse...

Eu não apoio a causa basca. Apesar de tudo, tinha uma amiga basca que entretanto se viu impedida de me escrever, porque mandar cartas continuamente para Portugal estava a dar muito nas vistas.
Espanha una e indivisível, respeitada nas suas diferenças. Não há motivos para desmembramentos se já existem autonomias e governos regionais. Só assim se pode manter um grande país.

silva disse...

Não sou corajosa:)))
não me pronuncio muito sobre esse assunto porque não consigo entender o terrorismo.
No entanto acho q mais uma vez estiveste mto bem neste Post.

Beijocas

TONY, Duque do Mucifal disse...

pois...isso cada vez mais é um retrato da nossa sociedade. Há dogmáticos que se apoderam das causas e não têm pejo em atingir quem quer que seja só para atingir os seus propositos. mesmo aqueles que gostam deles...enfim...sad story!